terça-feira, novembro 10, 2009

O amor humano autêntico é uma entrega total da própria pessoa: alma, coração, corpo, toda a própria vida, presente e futuro. Quando duas pessoas se amam, sabem que vão compartilhar toda a sua vida. O casal é isto: um com uma para sempre, em tudo, para terminar nos filhos. Já não são dois, mas uma só carne e uma só vida. Antes eram duas vidas independentes que, de vez em quando, coincidiam. Agora estão intimamente ligados, a vida de um é inseparável da do outro. Até nas coisas mais concretas. (M. Santamaría Garai)

Amor não é olharem um para o outro. mas sim olharem ambos numa mesma direcção.(Antoine de Saint-Exupéry)

O casamento é um edifício que deve ser reconstruído todos os dias.(André Maurois)

No verdadeiro amor não manda ninguém; ambos obedecem.(Alejandro Casona)

O casamento não produz dois prisioneiros, mas sim uma liberdade em duas pessoas. Pode dizer-se que teve êxito quando, tendo-se tomado o compromisso inicial, e tendo-se convertido a união em algo natural, os esposos nem sequer têm a impressão de estarem casados. (André Frossard)


Não confundir o amor com a paixão dos primeiros momentos, que pode desaparecer. O verdadeiro carinho cresce na medida em que os dois estão mais unidos, porque partilham mais. Mas para partilhar é preciso dar. Dar é a chave do amor. Amor significa sempre entrega, dar-se ao outro. Só pelo sacrifício se conserva o amor mútuo, porque é preciso aprender a passar por alto os defeitos, a perdoar uma e outra vez, a não devolver mal por mal, a não dar importância a uma frase desagradável, etc. Por isso o amor também significa exceder-se, fazer mais do que é devido. (Juan Luis Lorda)

Um casamento feliz exige que nos apaixonemos muitas vezes e sempre pela mesma pessoa. (Autor desconhecido)


É claro que os esposos e os filhos são seres humanos, com falhas e defeitos. Podem surgir dificuldades, mesmo graves, mas a solução não é negar a natureza das coisas, mas precisamente apoiar-se nela para procurar ultrapassar essas dificuldades.Não se pense em situações idílicas, mas num amor que cresce no meio das dificuldades, nas canseiras, nas incomodidades, nas coisas que saem bem e nas que saem mal, problemas de saúde, apertos económicos, cansaços, irritações passageiras, etc.E tudo isto é compatível com a felicidade. Quem ama sente-se feliz, mesmo quando não é inteiramente correspondido, embora aí possa haver uma plenitude de amor. (Juan Luis Lorda)

Uma crise matrimonial não é nenhuma catástrofe. Quem foge dela, sobrevaloriza-a. Quem a ignora, peca por despreocupação. Deveríamos descobrir a oportunidade que ela encerra. Através de tais provas, o amor vai amadurecendo e ganhando em profundidade; cada tempestade é uma oportunidade de renovação. Com os anos vou amando cada vez mais porque quero amar, porque escolhi o outro como cônjuge e estou disposto a suportar desilusões. (Jutta Burggraf)

O amor incondicional é aquele que diz: "Vem se quiseres, vem quando quiseres, vem sejas como fores, vem faças o que fizeres. Estou aqui para te receber. Existirei para ti. Derramarei tudo o que há de bom em mim sobre ti, para te construir".A contracepção, a forma mais utilizada para realizar aquilo a que chamam desastradamente "planeamento familiar", não é compatível com este tipo de amor. Porque coloca condições: "Virás quando eu quiser, se me der jeito, quando for possível. Talvez mais tarde. Já há o teu irmão...". Não acolhe: escolhe. (Paulo Geraldo)


O amor não se conjuga no passado: ou se ama para sempre, ou nunca se amou verdadeiramente. (Autor desconhecido)


Casar-se não tem nada a ver com uma celebração ou com uns papéis. Casar-se não é outra coisa que a entrega mútua de duas pessoas para sempre. Os papéis não são senão uma expressão externa dessa realidade interior que se consuma na intimidade da vontade e se exprime na intimidade do corpo. (M. Santamaría Garai)

Manter uma atitude de confiança com as outras pessoas implica correr o risco de sermos defraudados. Mas riscos todos corremos, também os que não confiam...Arrisca-se na educação e arrisca-se no casamento. Há pais que deram tudo pelos seus filhos e estes acabaram por ser uma calamidade. Mas, se não tivessem dado tudo, se os tivessem abandonado ou maltratado, então a calamidade não teria sido um risco, mas uma certeza.O mesmo contece com o casamento: é uma aposta cuja possibilidade de êxito cresce na medida em que se arrisca tudo. (Joaquín García-Huidobro)

A coisa mais importante que um pai pode fazer pelos seus filhos é amar a mãe deles. (Autor desconhecido)

Sem comentários: